Hospital Fundação do Câncer, no Méier, fará várias atividades do Outubro Rosa a partir do dia 18

 Alexandre Brum / Agência O Dia

ACONTECEU: No Rio de Janeiro

  Quando o assunto é câncer de mama, ter o diagnóstico precoce, através da mamografia, é a maneira mais garantida de reverter a doença. No entanto, dados da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) revelam que o número de mulheres que fizeram o exame em 2017 ainda está longe do ideal. Segundo a organização, apenas 2,7 milhões de pessoas se submeteram à avaliação no Brasil, enquanto que a meta era que pelo menos 11,5 milhões de pessoas fizessem o teste.

 

  "Fazer a mamografia anualmente pode ser considerado um divisor de águas na vida da mulher. Quem não realiza o exame periodicamente pode estar assinando sua sentença de morte, já que o diagnóstico precoce do câncer de mama eleva as chances de recuperação da paciente para 95%. O indicado é que, a partir dos 40 anos, as mulheres façam o teste com frequência. Já quem tem casos da doença na família deve começar a se prevenir aos 35 anos", constatou Cátia Benevides, integrante do Conselho Regional de Técnicos em Radiologia (CRTR).

 

  Para conscientizar a população da importância da mamografia, o Hospital Fundação do Câncer, no Méier, vai promover no dia 18, palestras e atividades do Outubro Rosa relacionadas ao câncer de mama. Durante o evento, que é gratuito e será das 9h às 15h, serão abordados temas como inovações médicas relacionadas ao tratamento e diagnóstico, direitos do paciente com câncer, nutrição, sexualidade da mulher durante e após o tratamento da doença e automaquiagem.

 

  CONSCIENTIZAÇÃO

 

  Além disso, o público também poderá participar de forma prática do preparo de receitas recomendadas para pacientes oncológicos, guiados por nutricionistas do hospital. Segundo Luiz Augusto Maltoni Junior, diretor-executivo da Fundação, o evento tem como objetivo alertar a população sobre o combate ao câncer de mama, que é o mais comum entre mulheres brasileiras e o segundo mais frequente na população mundial.

 

  "A ideia é sensibilizar a sociedade pela causa, independentemente do gênero. Ainda que a doença faça parte principalmente do universo feminino, diz respeito a todos: serão mães, irmãs, filhas, esposas e amigas que poderão receber o difícil diagnóstico", afirmou Maltoni.

 

  A expectativa da Fundação do Câncer é que, até o fim do ano, cerca de 60 mil mulheres tenham suas vidas transformadas através do diagnóstico, do tratamento e da recuperação do câncer de mama.

  DE GRAÇA

  CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE JOSÉ MESSIAS DO CARMO

No dia 18 de outubro, terá conversas sobre saúde da mulher e exame preventivo. Já no sábado, 20 de outubro, a unidade ficará aberta para receber mulheres que não podem realizar o exame durante a semana.

Rua Waldemar Dutra 55, Santo Cristo. Mais informações: 2263-2121.

 

  CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE CESAR PERNETTA

 

  Realiza semanalmente durante o mês de outubro, sessões de sala de espera para sensibilização das pacientes sobre a importância do auto cuidado, exame preventivo e autoexame.

 

  Rua Ana Barbosa 21, Méier. Mais informações: 3111-6718.

  CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE ATHAYDE DA FONSECA

  Promove sessões de sala de espera sobre a importância do exame preventivo na faixa etária de 25 a 64 anos, atividade de valorização da mulher, intensificação da coleta de preventivo e atividade de saúde bucal na escola.

  Rua Dezenove de Abril S/N, Bangu. Mais informações: 3336-1964.

  Cirurgia pouco acessível

 

  Importante para elevar a autoestima e melhorar a qualidade de vida da paciente que perdeu a mama por causa do câncer, a cirurgia de reconstrução mamária ainda não é pouco acessível.

 

  Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia, apenas 29,3% das cirurgias foram realizadas pelo SUS, entre 2008 e 2014, comparado ao número de mastectomias realizadas.

 

  Entretanto, a lei de nº 12.802 garante às mulheres que fizeram mastectomia o direito de ter suas mamas reconstruídas no mesmo ato cirúrgico.

 

  Segundo especialistas, a reposição da mama pode ser feita com prótese ou gordura da barriga e do abdômen da própria paciente.

https://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2018/10/5581209-mamografia-esta-longe-da-meta.html#foto=4

Email: aconteceu.no.rj@gmail.com

ZAP

(21) 97900-2081